o murchar

Dentro de mim,
tua imagem é túrgida
túrgida
balão prestes a estourar.

Tarde da noite
o balão arrebenta
pois já não aguenta
a pressão do meu ar:

sou eu o balão
e o próprio insuflar.

Eu própria a agulha
com o poder de esvaziar.

Túrgida eu estava
de coisas para falar.

 

(Clara Cruz)

 

← Ver outros poemas