horizontal

Ai que pena de ir dormir,
ai que dor me despedir
desse mundo acordado
tudo o que havia de vir…

É noite e quando chega a noite
já nada, nada mais dá certo.
E a alma trêmula de frio
deixa o corpo todo a descoberto…

Pobrezinho do meu corpo,
assim sem alma, sente frio.
Fica querendo de volta
a alma cálida de estio…

E afogar os pensamentos
num inexorável rio.

 

(Clara Cruz)

← Ver outros poemas