desenjaulada

Súbito entrei numa caixinha.

Nunca pensei que ela existisse
mas.
de repente.
dela não consigo mais sair.

Ou será que consigo?

(Espia…
Espia por aquela fresta ali.)

Olha, a caixa tem um furo.

Furo por onde o sol entra.

Furo onde os dias
se tornam mais claros
furo onde as noites
mais claras ainda.

E fundo bem fundo
eu vou respirar:

vida linda, sê bem-vinda,
vou me desencaixotar.

 

(Clara Cruz)

 

← Ver outros poemas