de ló

o que faz essa menina
andando por aí
sem casca,
sem calo,
toda de algodão?

macia desse jeito,
como pode estar descalça
neste mundo tão áspero?
menina assim de vidro
criada a pão de ló
alguém assim quebrável
nunca pode ficar só.

criada a leite com pêra,
não conhece o espinho da rosa.
é uma boneca de cera
virgem do mundo
ingênua
amorosa.

menina, tua pele
é macia demais.
caleja essa pele
pra não sofrer mais.

tua pele é muito fina,
há que ser bem mais espessa.
e se pisares no vidro,
ou o que quer que te aconteça?

precisas precisas
criar uma casca!
precisas sair
desse conto de fadas.

menina que sonha e só sonha,
sai das nuvens e corre pra terra!
despe teu corpo
das vestes da vergonha
veste teu corpo
com tua melhor roupa de guerra.

 

(Clara Cruz)

 

← Ver outros poemas