uma histeria chamada mulher

para C.

Que bonito que é o sujeito,
sendo todo errado ele é tão perfeito…

Ser histérica, sabe, meu bem?
Ser histérica é abrir o corpo como quem abre as asas,
é abrir o corpo e a alma
para o novo e o inesperado,
para viver as mais loucas e insuspeitadas aventuras.

Sou uma histérica
que histericizou,
o grito trancado
que não mais calou.

(Cada palavra que ganho tua
mais um pedaço de quem eu sou.)

(Clara Cruz)

 

← Ver outros poemas