Ciúme: um sentimento para não pôr no currículo

Ciúme

Por Clara Cruz

 

Você já reparou como todo mundo demoniza o ciúme?
Talvez por ser uma das sensações mais dolorosas que existem, o fato é que temos muita dificuldade de assumir que o sentimos.
Quando fica evidente, nos apressamos em negá-lo.
“Não é ciúme, é ___”.
“Eu não diria que é ciúme”.
“Acho que ciúme não é a palavra”.
E por aí vai.

É, é difícil de confessar.
E por quê?
Porque o ciúme é visto como feio. Como um sentimento não nobre. Não parece nos tornar mais dignos, como a pena, por exemplo. Podemos dizer que não passou pelo crivo das religiões: não é abençoado, não nos oferece nada em troca. Já está na Bíblia, com a história de Caim: sentir ciúme do irmão não pode, não é bom aos olhos de Deus.

A palavra ciúme tem sua origem no latim, ZELUMEN, ZELUS, que significa “zelo, desejo amoroso”; e no grego, ZELOS, “zelo, ardor”. Isto é, o ciúme expõe nossas emoções mais íntimas, de desejo amoroso e sexual. Talvez por isto seja tão demonizado: revela os impulsos tidos como mais baixos, “animalescos”: não esconde nada, deixa tudo à mostra!

O ciúme põe a nu três aspectos nossos que, com frequência, nos esforçamos para não ver: 1) ocupamos a posição de amantes em relação a alguém sem a garantia de que seremos amados de volta; 2) desejamos ter a posse de uma pessoa e 3) não estamos dispostos a compartilhar essa posse com mais ninguém.

Expor nosso ciúme é expor nossa sexualidade.
Falar de ciúme, então, é falar de sexualidade*.

 

*Para a psicanálise, a sexualidade humana compreende não só as relações eróticas, como todas as manifestações de afetividade presentes nos vínculos familiares, de amizade e de uma pessoa consigo própria.

***

01_ciumes_b

O ciúme transporta-nos à criança que está dentro de nós, que um dia foi frustrada nas suas expectativas de amor e ficou muito triste. Isso é o esperado, pois faz parte do desenvolvimento sermos desapontados nessas demandas de amor infantis. É impossível alguém fazer parte de uma família e não ter que dividir o amor do pai, da mãe, dos avós ou dos cuidadores com outras pessoas. E repartir esse amor tão caro para nós com irmãos e irmãs… dói! No caso de quem é filho único, esse afeto também precisa ser compartilhado: os primos e filhos de amigos da família estão aí para abalar a certeza do filho único de que ele possui a exclusividade do amor dos pais ou dos avós.

Convém lembrar que, na vida adulta, quando sentimos ciúme de nosso companheiro(a), amigos(as) e pessoas importantes para nós, trata-se de uma reedição desse amor infantil decepcionado. Um amor que ficou insatisfeito, precisamente porque sua demanda era exigente demais. Freud, o inventor da psicanálise, usa as seguintes palavras para definir o desconforto que o ciúme causa na criança:

 

O amor infantil é ilimitado; exige a posse exclusiva, não se contenta com menos do que tudo.

 

O ciúme atinge em cheio o nosso narcisismo: como pode a pessoa que eu amo tanto amar alguém que não seja eu?
Essa constatação, a de que não somos as únicas criaturas amáveis no mundo, deixa-nos uma baita ferida narcísica. E admitir esse sentimento é como mexer no machucado ainda aberto.

A frase “Não sinto ciúme” muitas vezes poderia ser entendida como: “Sim, eu sinto ciúme, e isso me dói tanto que reconhecer dói ainda mais. Falar sobre isso pode me re-traumatizar, então, por via das dúvidas, prefiro nem falar. Vai que você não compreende, e me julga um trouxa? Não vou arriscar. Nem sei se você também sente ciúme de alguém! Se você tem a mesma fragilidade que eu! E é doloroso ser fraco sozinho.” No entanto, o ciúme nos une: não importa com quem você converse, das pessoas mais íntimas às mais desconhecidas, todas sentem um ciúme profundo de alguém. E, como você, quase nenhuma delas está a fim de compartilhar isso. Porque também acha que vai ser julgada.

Então, se sentir ciúme faz com que nos sintamos pequenos e sozinhos – crianças abandonadas – admitir que o sentimos permite-nos crescer e estar acompanhados. Ao perceber que nossos sofrimentos, apesar de singulares, são experimentados por todas as pessoas, nos aproximamos bastante umas das outras, pois nos reconectamos com um traço de humanidade comum a todas nós.

***

01_ciumes_c

Muitas vezes, o ciúme aparece como um alerta vermelho, para nos lembrar que aquela criança – ciumenta – ainda está em nós, precisando de amor e cuidado. E é apenas cada um de nós, individualmente, que pode fazer isso por si mesmo. Por essa criança ferida.

Uma boa maneira de cuidar dessa criança é fazer análise. A psicanálise acolhe o ciúme como ele é: uma paixão ardente, ainda que infantil. E é a partir desse ponto de vista que o(a) analista vai escutar essa dor. Sem julgar ou inibir seu aparecimento. Pelo contrário, vai estimular que se fale disso o quanto for preciso, para que o sujeito em análise possa permitir à sua criança interior se manifestar e, depois que houver produzido um saber sobre essa dor, decidir o que fazer com ela.
Que destino cada um dá ao seu ciúme, à sua dor? É um caminho inédito, que vai caber a cada um percorrer.

Tenho uma proposta a fazer: vamos des-demonizar o ciúme?

Certa vez, escrevi um trecho de prosa poética sobre o tema. Era assim:

 

“O indesejado”

O ciúme…
… é a dor mais pungente, menos dignificante e menos respeitada pelas pessoas.
As pessoas querem ser cegas para o que elas mesmas podem sofrer.
Relegam para o plano do inferno tudo aquilo que não as cristanece.
Com a ilusão de que há dores “menores do que as outras”: impuras, pagãs, que não engrandecem…
(Esquecem-se de que toda dor engrandece, principalmente quando descobrimos o que fazer com ela!)
– “Pisa na barata do ciúme! Ela não merece qualquer afeição.”
– “Aperta o botão do morrer! Barata que é ciúme não merece viver.”

***

Sou a favor da descriminalização do ciúme! Sentir ciúme não é crime!
Freud: “A dor quer e precisa falar.”
O ciúme é uma dor como qualquer outra!
Tem o direito de nascer.

 

 

Referências:

http://origemdapalavra.com.br/site/palavras/ciume/. (Acesso em 13.08.2016)

FREUD, Sigmund. Sexualidade feminina. In: Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996, p. 239.




P.S. Gostaria de ser avisado(a) por e-mail quando os próximos textos forem publicados?





4 comentários neste texto:

  1. 08/22/2016Simone Pereira Schmidt disse:

    Muito bom, Clara. Muito bom saber que não estamos sozinhos nos nossos sentimentos mais íntimos e escondidos…

  2. 08/22/2016Clara Cruz disse:

    Oi mãe, que bom que o texto te tocou.
    Aguarde pelos próximos temas que vão surgir por aqui, podem te interessar também.
    Beijos! :*

  3. 08/22/2016Bruna disse:

    Texto muito interessante e verdadeiro, Clara. Adorei!

  4. 08/22/2016Clara Cruz disse:

    Oi Bruna, que bom que você gostou!
    Espero que os próximos temas também despertem seu interesse e inspirem reflexões.
    Beijos! 🙂

Deixe seu comentário: